in , ,

Dez videoclipes gravados em tomada única

Plano-sequência é uma técnica audiovisual em que a câmera registra uma ação completa, num único plano ininterrupto, sem cortes. Essa técnica narrativa complexa é utilizada em cenas de diversos filmes e também está presente em videoclipes, o que torna tudo mais criativo e difícil de ser realizado, em alguns casos. O problema de gravar algo em tomada única é que não pode haver erros, tudo precisa sair do jeito que foi planejado. Um simples deslize ou atraso na encenação faz com que tudo precise ser gravado de novo, do começo.

A dificuldade da técnica varia de clipe para clipe. Ligar a câmera e deixá-la fixa no rosto do artista faz com que o videoclipe utilize plano-sequência, mas nesse caso as chances de erros e de dezenas de tentativas até o clipe sair como o planejado é mínima. Como em Wrecking Ball (Director’s Cut), Miley Cyrus; e Cold War, Janelle Monáe. Em outros exemplos como, You’re Beautiful, do James Blunt e The Voice Within, da Christina Aguilera, existe mais ação que os anteriores, com zoom e giro da câmera e movimentação pelo cenário. E não estou desmerecendo esses trabalhos citados, são belos principalmente por focarem na simplicidade. Só optei por listar neste post clipes gravados em tomada única possuidores de elementos que deixaram o trabalho mais elaborado. Seja com troca de cenários, mudança de figurinos, coreografias detalhadamente sincronizadas, envolvimento de diversos figurantes etc.

Confira os dez selecionados.

01. Wannabe – Spice Girls
“Wannabe” é, sem dúvidas, o maior sucesso do grupo Spice Girls. Tanto a música quanto o videoclipe são clássicos. É o mais antigo na nossa lista, lançado em 1996, e temos, basicamente, as garotas invadindo e fazendo baderna num hotel em Londres, tornando o clipe espontâneo e divertido.

02. Emotion – Destiny’s Child
Destiny’s Child, outro grupo feminino de sucesso que dispensa apresentações. “Emotion” é um cover da faixa da cantora Samantha Sang, escrita pelos Bee Gees, que ganhou um belíssimo videoclipe com a tela dividida em três partes, uma para cada integrante do grupo. Assim, o telespectador pode acompanhar as histórias de Kelly, Beyoncé e Michelle simultaneamente, conforme o foco é alterado. O que traz “Emotion” para esta lista é a sincronia do final, quando as três câmeras, as três garotas e as três histórias se encontram, tornando-se uma.

03. The Lazy Song – Bruno Mars
O videoclipe de “The Lazy Song” possui uma aparência meio caseira, com Bruno Mars colocando a câmera em um ponto fixo da sala e iniciando uma coreografia com pessoas usando máscara de macacos com óculos escuros.

04. Single Ladies (Put a Ring on It) – Beyoncé
Coreografia + tomada única = “Single Ladies”. A coreografia propagou o sucesso da música de tal forma que covers se tornaram comuns no YouTube e em diversos programas televisivos, alguns promovendo até concursos. A simplicidade do vídeo em conjunto com a coreografia detalhadamente sincronizada são as chaves para o sucesso. Em 2009, recebeu o MTV Video Music Awards de Vídeo do Ano.

05. Always – Blink-182
Assim como “Emotion”, “Always”, do Blink-182, tem a tela dividida em três partes, porém na horizontal. Essas partes se combinam de tal maneira que, em alguns momentos, formam perfeitamente a mesma imagem. Temos neste clipe três cenas que parecem acontecer ao mesmo tempo, mas em momentos diferentes. Podemos reparar nisso pelos horários no relógio do início e pelo exterior do prédio através da janela. Em algumas ocasiões há um integrante em cada demarcação; e em outros, o mesmo integrante nas três telas. A sensação que o clipe deixa é que tudo está acontecendo muito rápido, e por isso, um detalhe ou outro podem passar despercebidos.

06. Look Around – Red Hot Chili Peppers
“Look Around” foi gravado com quatro câmeras fixas, mostrando quatro cenários (um para cada integrante da banda). Seria como quatro clipes em tomada única, que, com os giros da edição, tornaram-se um. Os giros constantes combinam perfeitamente com a música. Clique aqui para conferir a versão interativa do vídeo. Nela você pode escolher qual câmera assistir, girando entre os cenários, aumentando e diminuindo o zoom.

07. Sitting Waiting Wishing – Jack Johnson
“Sitting Waiting Wishing” não é só um clipe em tomada única, é um clipe em tomada única ao contrário. Ok, o que tem de extraordinário nisso? Nada, se o cantor optar por não cantar. Porque, nesse caso, só teremos algo gravado normalmente e que foi revertido na edição. Porém, além de tudo que acontece no cenário de “Sitting Waiting Wishing”, e que precisava funcionar, Jack Johnson também canta. O que significa que ele precisou aprender a letra da música ao contrário para que, quando o vídeo fosse revertido, sua boca continuasse mexendo da forma original da música. O Making Of é bem interessante e você pode assisti-lo clicando aqui.

08. Start All Over – Miley Cyrus
“Start All Over” é um daqueles videoclipes de produção trabalhosa, que envolve muitos figurantes, sincronia e coreografias. Miley não brinca quando canta “I’m gonna start all over”, pois um simples deslize e ela precisaria fazer exatamente isso com o clipe, começar tudo de novo. Deixando a brincadeirinha de lado, o clipe é cheio de detalhes, uma realização bastante criativa. E para não dizer que o clipe é TODO em tomada única, no finalzinho existem alguns cortes. Mas é quando Miley deita de novo em sua cama, depois de toda a ação, o que não diminui o restante.

09. We Are Never Ever Getting Back Together – Taylor Swift
“We Are Never Ever Getting Back Together” foi gravado para parecer com um daqueles livros pop-up e, segundo a própria Taylor Swift, foram necessárias dezoito tentativas até o clipe sair conforme o planejado. Esse número não se torna tão incrível assim, quando olhamos as transições entre os vários cenários, a quantidade de figurantes e o fato de Taylor trocar de roupa cinco vezes.

10. OK Go – This Too Shall Pass
Pergunta: qual vídeo do Ok Go merece este lugar? É difícil responder, os caras são geniais usando tomada única. O videoclipe de “This Too Shall Pass” utiliza uma Máquina de Rube Goldberg, que une vários mecanismos, onde o anterior sempre aciona o próximo, criando uma reação em cadeia. A equipe envolvida aparece comemorando no final, pois algo assim exige muitos cálculos preparação.

E continuando com OK Go, vale a pena conferir Here It Goes Again e End Love. (Clique nos títulos para assistir aos respectivos vídeos). O primeiro ficou famoso na internet por causa da coreografia com esteiras. O segundo demorou em torno de 18 horas para ser gravado, os integrantes chegam a dormir durante a noite. Isso só mostra a criatividade e a seriedade da banda quando o assunto é tomada única.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Divergente e os recentes acertos de Hollywood em adaptações

Pixar entra na brincadeira e lança vídeo sobre seus easter eggs