in ,

Lana Del Rey e seus doze álbuns não lançados

Todo artista tem aquela música nunca lançada que acabou vazada ou usada para outro fim que não na discografia oficial e que é fantástica, amada por todos os fãs que pesquisam um pouco mais sobre o que está além dos álbuns oficiais dos cantores e bandas.

Algumas vezes, quando essas faixas são muitas, os artistas criam coletâneas. Foi o caso do Oasis que, depois de três álbuns de inéditas, lançou “The Masterplan”, não exatamente uma coleção de não-lançadas, mas de b’sides, faixas que acompanham os singles oficiais.

Beyoncé é outra artista que possui incontáveis músicas não lançadas, inclusive muitas melhores do que os próprios trabalhos oficiais (“Kick Him Out (Next Ex)”, “New Shoes”, “Back Up”, “Creole” e “Lost Yo Mind” são apenas algumas).

Agora, quando levamos em conta a proporção de músicas não lançadas em relação aos trabalhos lançados oficialmente, dificilmente alguém baterá Lana Del Rey. Com apenas três álbuns de estúdio completos lançados oficialmente (“Born to Die”, com 15 faixas na edição deluxe, mais 8 na reedição “Paradise Edition”, “Ultraviolence”, com 11 faixas, e “Honeymoon”, com 14), Lana teve uma infinidade de músicas suas vazadas na internet; a conta, atualmente, está em cerca de 140 faixas não lançadas, mais 28 de álbuns anteriores que não foram exatamente lançados oficialmente e mais de 50 demos; fora as que já tiveram os nomes vazados, mas ainda não apareceram na internet. Ou seja, são mais de 170 músicas, que, divididas em álbuns de 14 faixas, dariam cerca de 12 discos – muitas carreiras acabam antes de chegar a esse marco.

Entre os fãs de Lana, se tornou uma missão de honra procurar e colecionar toda faixa que for possível (nada que seja muito difícil agora, nesse mundo de torrents). Algumas das faixas, antes de serem vazadas, são negociadas, trocadas entre fãs que tiverem acesso a elas antes de todos, até que caiam na web.

É difícil para quem não acompanha esses vazamentos desde o início se situar no meio dessa confusão toda. Nem eu, que acompanho a carreira de Lana relativamente desde o início (#fãdesdeSirens #sqn), acredito ter todas as faixas vazadas até agora. Para facilitar o trabalho de quem se interessa, mas tem preguiça de ouvir tudo, fiz um seleção com as 20 melhores (porque foi impossível compilar só em 10 ou 15) entre as não-lançadas (excluindo os álbuns AKA e Sirens e as demos). Muitas músicas excelentes ainda ficaram de fora, mas é um preço que pagamos quando criamos listas, né?

(ATENÇÃO: Não procurem as músicas no YouTube, porque a maioria está com o tom alterado para não ser removida por conta de direitos autorais, o que prejudica e muito a experiência!)

01. Fake Diamond
É assim que o pop atual deveria soar. Prova de que ainda é possível criar pop bom hoje em dia, sem remeter a fórmula já prontas de produtores clichê).

02. Every Man Gets His Wish
Mesmo caso da faixa acima. Baseada em outra demo (bem mas lentinha) de Lana, chamada “1949”, para quem se interessar. Também tem versões conhecidas como “Hawaiian Tropic” e “Daytona Meth” (Lana é conhecida por reutilizar partes de suas não-lançadas em outras faixas, recriando inteiramente a música ao adicionar novas melodias e harmonias).

03. Hit and Run
Podia ser tranquilamente ser lançada em um álbum, inclusive como single, se pá. Uma das preferidas dos fãs que curtem esse lado mais uptempo de Lana. Também tem uma versão alternativa, “Criminals Run the World”, que é uma demo bem engraçadinha.

04. Kinda Outta Luck
Clássico de quem se tornou fã antes mesmo do lançamento do “Born to Die”. Na época em que havia poucas músicas de Lana disponíveis na internet, o vídeo de KOL fazia sucesso na conta da cantora no YouTube. Totalmente nostálgica, ar sessentista, meio James Bondístico.

05. Paradise
Muitos achavam que a faixa estaria no “Paradise Edition” do “Born to Die”, mas não; na verdade, Lana só gosta de se repetir e repetir e repetir em suas ideias, tornando elas completamente novas a cada modificação. Essa repetição não é nada ruim, porque mostra que o material por ela lançado (ou vazado) é de sua genuína autoria, já que reflete seus gostos, suas preferências e ideologias. Boa batida, gruda na cabeça.

06. Ride or Die (She’s Not Me)
Novamente, ar nostálgico, de década de 60. Outra preferida dos fãs que gostam das faixas mais rapidinhas da Lana (sim, caro leitor, elas existem!). “Ela é uma garota do tipo tudo ou nada? Ela sabe que eu estou tatuada no seu coração? Deixei minha marca em você, não há nada que você possa fazer. Ela pode estar com você, pode ser gostosa, mas ela não sou eu”.

07. Summer of Sam
Uma preferida pessoal. Adoro o clima da música, os efeitos nos vocais, a batida e a letra. Não é muito glorificada pelos fãs, mas a lista é minha e eu quero ela aqui e fim hahaha

08. Velvet Crowbar
PÁ! Fantástica, obra-prima. Podia ter sido lançada por Adele, podia ter sido lançado por Amy Winehouse. Podia até ter sido lançada pela Lana Del Rey, mas permaneceu esquecida pela humanidade, em uma versão que circula na internet em baixa qualidade, infelizmente.

09. You Can Be the Boss
As não-lançadas da Lana se dividem em músicas com ares nostálgicos, pops bem plásticos e hip-hops batidões, isso quando uma mesma faixa não mescla mais de um desses elementos. “You Can Be The Boss” é o expoente máximo da vertente hip-hop de Lana. Também era uma das poucas faixas disponíveis na internet antes do lançamento do “Born to Die”.

10. Children of the Bad Revolution
Fantástica, obra-prima (2). Arrisco a dizer que é minha não lançada preferida (mas isso pode mudar ainda hoje). Instrumental fantástico, vocal sedutor, letra incrível, cheia de referências facilmente identificáveis à cultura pop, produção show de bola. Ares nostálgicos, refrão totalmente James Bond (falando nisso, cadê Lana fazendo música para a trilha do próximo 007? Hein, hein?).

11. Damn You
Arrisco a dizer que é a preferida dos fãs, pelo menos os que já estavam presente na fanbase na época em que foi vazada. Música para fossa, bem produzida, bem escrita, de forma que poderia facilmente ser lançada como oficial.

12. Serial Killer
Se “Damn You” não é a preferida dos fãs, certamente “Serial Killer” é. Sombria, melancólica, sedutora, muitos fãs clamavam para que ela fosse incluída no “Paradise Edition”, na época de seu lançamento, sem entender que a faixa é antiga, e não se adequava à proposta da reedição. Mas sim, é um pop excelente, que merecia ser lançado oficialmente (Lana inclusive cantou ela ao vivo em alguns shows da sua última turnê).

13. Driving In Cars With Boys
Disponível em duas versões na internet, uma demo e uma mais redondinha, finalizada. Os refrões de ambas também são diferentes, um mais grave e outro com backing-vocal mais agudo. Igualmente boa das duas formas. Também já rolava pela internet antes do lançamento do “Born to Die”.

14. Hollywood’s Dead
Faz parzinho com “Damn You”, porque as duas tiveram trechos vazados em conjunto, e foram vazadas completas em conjunto. Tematicamente, se parece com “Children of the Bad Revolution”, super nostálgica, super cinematográfica.

15. Hollywood
Supostamente uma das músicas que estariam no sucessor de “Born to Die”, junto com “Angels Forever”, “Starry Eyed”, “JFK” e “Black Beauty” (o nível de produção de todas sinaliza que isso poderia sim ser verdade). “Hollywood” tem ares de “Ride”, faixa que abre o “Paradise Edition”.

16. I Don’t Wanna Go
Outra preferida pessoal. Melancólica ao extremo, mas muito bonita, e muito relaxante. Tudo se encaixa perfeitamente, poderia ser lançada em um trabalho oficial.

17. Never Let Me Go
Um das primeiras a vazar, marca um lado country de Lana, não explorado em muitas outras faixas. Outra preferida dos fãs lááá do início, quando ainda não se sabia se era Lana Del Rey ou Lana Del Ray.

18. On Our Way
Outra da época que circulavam os boatos de que Lana teria assumido ter sido fabricada por advogados – rumor infundado que nunca foi provado, mas serviu para arranha a imagem de Lana por mais de ano. Faz par com Never Let Me Go pelos ares de country.

19. Put The Radio On
Popzinho bem produzido, puxa para o lado hip-hop de Lana, bem urban. Cita outras músicas de Lana, como “Match Made in Heaven” e “Yayo”.

20. Starry Eyed
Possivelmente uma que entraria em um trabalho oficial, mas foi descartada por ter vazado. Segue a linha das outras que vazaram junto com ela, apresentando uma unidade, uma coerência que indica que poderiam formar um álbum. No entanto, a sonoridade ainda tem alguns elementos do “Born to Die”, o que gera dúvidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O novo clássico de Iggy Azalea mostra ao que a rapper veio

10 motivos para amar (e respeitar!) Valesca Popozuda