in , , ,

Uma carta de Cho Chang à J.K. Rowling

KATIE LEUNG as Cho Chang in Warner Bros. Pictures' fantasy "Harry Potter and the Order of the Phoenix.” PHOTOGRAPHS TO BE USED SOLELY FOR ADVERTISING, PROMOTION, PUBLICITY OR REVIEWS OF THIS SPECIFIC MOTION PICTURE AND TO REMAIN THE PROPERTY OF THE STUDIO. NOT FOR SALE OR REDISTRIBUTION

Em abril de 2013, um vídeo foi postado no YouTube e gerou grande polêmica: Rachel Rostad, universitária de 19 anos, recitou um poema de sua autoria em um sarau de poesia no qual ela se passava pela personagem Cho Chang, da saga Harry Potter, e dirigia sua mensagem à autora da saga, a britânica J.K. Rowling. Rachel tem ascendência asiática e, em seu poema, critica o uso de Cho Chang como uma personagem de minoria étnica apenas em prol de uma suposta diversidade racial na história, sendo que a personagem em si não possui grande profundidade emocional ou um bom arco de desenvolvimento e crescimento durante toda a série.

Assista ao vídeo, que já possui mais de 800 mil visualizações, abaixo e confira a tradução do poema de Rachel.

Por Rachel Rostad

Quando você me colocou em seus livros, milhões de garotas asiáticas por toda a América comemoraram. Finalmente, uma potencial fantasia de Halloween que não fosse gueixa ou Mulan! Como alguém poderia não amar? Sou a personagem preferida de todo mundo! Luto com milhares de Comensais da Morte e tenho um ótimo senso de humor e sou cheia de emoções complexas!

Ah, espere. Essa é a versão de Harry Potter na qual eu não sou completamente sem valor.

Em primeiro lugar, você me colocou na Corvinal. É claro que a única asiática de Hogwarts estaria na casa dos nerds. Uma pena que não haja uma casa especializada em computadores e matemática e karatê, não é?

Eu sei, você pensou que estava sendo tolerante.

Contando comigo, Dino Thomas, as gêmeas indianas, Hogwarts tem tipo… cinco pessoas não brancas? Não importa que sejamos todos personagens coadjuvantes. Não, você não é racista! Assim como você não é homofóbica, porque o Dumbledore é totalmente gay! É claro que isso nunca foi dito nos livros, mas, cara: a sociedade já não chegou tão longe a esse ponto? Agora os gays não precisam ficar no armário só na vida real, eles também pode ficar no armário na ficção!

Sra. Rowling. Vamos conversar sobre o meu nome. Cho. Chang. Cho e Chang são ambos sobrenomes. São ambos sobrenomes coreanos. Supostamente, eu sou chinesa. Eu me chamar “Cho Chang” é a mesma coisa que um homem francês se chamar “Garcia Sanchez”. Então, obrigada. Obrigada por não me dar nenhuma ancestralidade. Obrigada por me dar um nome tão genérico quanto uma fantasia de ninja. Como pauzinhos de enfeitar o cabelo.

Sra. Rowling, eu sei que você é apenas a mais nova participante de uma longa tradição de transformar mulheres asiáticas em um fetiche trágico. Madame Butterfly. Mulher japonesa se apaixona por um soldado branco, é abandonada e se mata. Miss Saigon. Mulher vietnamita se apaixona por um soldado branco, é abandonada, se mata. Memórias de uma Gueixa. Lucy Liu vestindo roupas de couro. Pornografia estudantil. Então deixe-me chorar por garotos mais do que falo alguma coisa. Deixe-me preencher sua cota de diversidade. Apenas mais uma garota não-branca chorando pelo seu herói branco.

Não é de se espantar que Harry Potter curta uma asiática. Nós rimos com a mão na boca e “não falar inglês”. O que mais um homem poderia ver em mim? O que mais eu poderia ser além daquilo que você me fez? Subordinada. Submissa. Sub-enredo.

Vá em frente. Diga que eu estou exagerando. Ignore o fato de que seus livros venderam 400 milhões de cópias mundialmente. Estou jogada por telas de cinema, uma caricatura best-seller.

No verão passado, conheci um garoto cuja fala era como a chuva batendo nas janelas. Ele tinha os olhos azuis do pai dele. Ele pressionou seu punho contra o meu e disse que era pálido demais, que minha pele era muito mais bonita. Para ele, eu era um pôr-do-sol do Pacífico, parecida com leite, uma xícara de porcelana. Quando ele me deixou, percebi que já deveria ter previsto isso. Não sabia se estava realmente triste, mas chorei, de qualquer forma. Garotas que se parecem comigo supostamente devem chorar por caras que se parecem com ele. Eu já tinha visto tudo isso em filmes e lido isso em livros. Apenas seguimos o roteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritores internacionais que estarão na Bienal do Livro do Rio de Janeiro em 2015

Jogo “War” com temática de Game of Thrones será lançado em agosto