in ,

Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens: a sexualidade como uma questão de identidade e crescimento

simon1 Aos 16 anos, Simon Spier é o protagonista do romance de estreia da psicóloga norte-americana Becky Albertalli, Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens. O adolescente divide o tempo entre o ensino médio, as aulas de teatro, as conversas com a família, os encontros com amigos e os e-mails trocados com Blue. Na realidade virtual, ele – escondido atrás do nome Jacques e Blue, também um pseudônimo – se apaixonam sem se (re) conhecerem. A única informação capaz de identificá-los é saber que estudam na mesma escola.  A relação com Blue e os questionamentos quanto à sexualidade consomem cada vez mais o tempo de Spier. O livro é narrado em primeira pessoa, a partir do ponto de vista de Simon, de forma leve humorada. A linguagem é jovem, coloquial e os capítulos são  fluídos. A trama é entrecortada entre os relatos do protagonista e a troca de e-mail entre ele e Blue. O enredo também é recheado de referências à música e cultura pop. Há citações sobre Harry Potter, bem como as cantoras Tegan & Sara e o músico Elliot Smith.

“Também tenho que confessar que ando com a atenção redobrada para a roupa das pessoas na escola, para ver se alguém está usando camiseta do Elliot Smith”. – Pág. 94

Simon e Blue, através das mensagens, constroem uma relação afetiva. Trocam confidencias, apelidos carinhosos e relatam episódios corriqueiros, como a reação de Blue ao saber que irá ganhar um irmãozinho. Frequentemente os rapazes também tecem reflexões como ser gay, a hora de sair do armário e a ansiedade em contar para os pais sobre a sexualidade.

O pavor de perder Blue domina Simon quando ele esquece a conta do e-mail logada no computador do colégio e, consequentemente, passa a ser chantageado por outro estudante, Martin Addinson, que fez capturas de tela da conversa que encontrou. Portanto, Simon aceita ajudar Martin a se aproximar de Abby, uma das garotas de seu grupo de amigos mais próximos. Além dela, a turma também é composta por Nick, gamer e integrante do time de futebol da instituição, e Leah, desenhista hábil e mangás.

“É mesmo muito irritante que hétero (e branco, diga-se de passagem) seja o normal e que as pessoas que precisam pensar sobre sua identidade sejam só aquelas que não se encaixam nesse molde”. – Pág. 31

Neste livro, outros personagens se cruzam com o quarteto principal, como Bram, Taylor, Garrett, Cal, Nora e Alice. Jovens que poderiam ser facilmente de carne e osso. Eles frequentam tanto a escola quanto as festas, curtem música, se comunicam pelo celular sem deixar de estar pessoalmente com amigos e têm seus segredos. Os grupos dos subúrbios de Shady Creek, nos Estados Unidos, onde a história é ambientada romance, são heterogêneos. Nerds e atletas compartilham a mesma mesa no intervalo, mesmo que isso não os deixa imune a chacotas registradas no Tumblr de fofocas local.

Simon Vs. A agenda Homosapiens não é apenas um livro do gênero LGBT, é uma obra sobre as primeiras percepções que temos sobre o mundo. A obra aborda questões sobre sexualidade, família, justiça, cyberbullying, privacidade, confiança e amizade. E alerta quanto a necessidade de auto aceitação, antes de buscá-la nos outros, assim como a importância de estar cercado de pessoas queridas, nesta jornada.

notaoitoemeio

Simon Vs. A Agenda Homosapiens
Literatura Estrangeira
Preço:
R$ 34, 90
Páginas:
270
Editora:
Intrinseca
Ano:
2015

Veja como a internet reagiu ao lançamento de Perfect Illusion

Perfect Illusion levanta a dúvida: pra fazer sucesso tem que ser farofa?