Chimamanda Ngozi Adichie explica o que realmente disse sobre Beyoncé em crítica ao jornalismo sensacionalista

chimabee
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
444

A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie (de “Americanah“) se tornou ainda mais conhecida mundialmente quando Beyoncé escolheu um trecho de sua palestra “Sejamos Todos Feministas” (que foi transformada também em livro) para usar na música e no clipe “Flawless”, de seu álbum homônimo de 2013.

No ano passado, repercutiu na internet uma entrevista feita com a escritora, onde ela teria dito que “o feminismo de Beyoncé não é o meu feminismo”, o que soou como uma crítica à militância da cantora. Agora, Chimamanda decidiu usar sua página no Facebook para fazer um desabafo e esclarecer o que de fato foi dito na entrevista, em uma crítica ao jornalismo sensacionalista que distorce tudo com o objetivo de gerar polêmicas e cliques. Veja a tradução do post:

“Outubro de 2016. A edição holandesa de ‘Sejamos Todos Feministas’ tinha acabado de ser publicada. Eu faria uma turnê literária por Amsterdã e concordei em dar algumas entrevistas por telefone antes da viagem.

A primeira foi com uma jornalista respeitável, de um jornal respeitável, que me perguntou sobre Beyoncé e se eu realmente acreditava que ela fosse feminista, especialmente pelo motivo de que eu e ela não parecíamos ter preocupações muito semelhantes.

Eu disse que acreditava sim. Eu disse que acredito que existem tipos diferentes de feminismo, todos eles válidos, que começam com a mesma premissa básica de igualdade, mas focam em elementos diferentes, e que o meu feminismo era diferente do dela. Eu disse que Beyoncé foca na ideia de homens agirem corretamente com as mulheres – o que reflete a vida de milhões de mulheres por todo o mundo, mulheres que colocam homens como o centro de suas vidas.

Eu disse que gostaria que essa não fosse a realidade. Que eu gostaria que as mulheres não se devotassem tanto aos homens que não se devotam a elas de maneira recíproca, porque isso acaba criando um ciclo nada saudável de dependência e diminuição de si mesmo.

Isso foi obviamente uma crítica à realidade patriarcal, não ao feminismo de Beyoncé.

Eu disse acreditar que Beyoncé, em um mundo cheio de celebridades, é uma força cultural definitiva. Eu disse que fico ressentida quando ela é criticada por pessoas (em sua maioria jornalistas e acadêmicos, julgando pelas perguntas que fazem a mim) que parecem achar que uma musicista comercial não poderia acreditar genuinamente em igualdade de gênero. Eu disse que ela estava no comando da vida e da carreira dela, e que eu acho isso admirável. Eu disse que acho ela adorável.

Alguns dias depois, o jornal publicou um pequeno trecho da entrevista, em inglês, e deu essa manchete: ‘O feminismo da Beyoncé não é o meu feminismo’.

Era uma isca de cliques. Uma manchete cínica.

Manchetes importam porque manchetes – especialmente no mundo de hoje, onde muitos lêem sem prestar muita atenção – moldam a interpretação que o leitor fará de um artigo.

Eu escrevi reclamando à jornalista – uma mulher cujas perguntas e comportamento durante a entrevista tinham sido inteligentes e bem pensados.

Eu disse a ela que a manchete era sensacionalista e manipuladora, que ela deliberadamente interpretava minha intenção de maneira errada e que o trecho em si estava incompleto e fora de contexto.

Ela me respondeu garantindo que a entrevista completa, publicada em holandês, tinha capturado totalmente o que eu havia dito e que ela teria uma manchete diferente.

O artigo completo em holandês teria, nas palavras dela, ‘bem mais nuances, como as suas opiniões.’ A manchete em holandês seria, como ela disse: ‘Uma argumentação clara como cristal sobre completa igualdade.’

Mas é claro que o estrago já havia sido feito. Quantas pessoas que leram o trecho em inglês leriam a versão holandesa completa?

E por que motivo um jornal holandês, depois de realizar uma entrevista que seria publicada em holandês, faria essa escolha estranha de publicar, na internet, um trecho pequeno e sensacionalista em inglês?

Para ser justa, a jornalista provavelmente não escreveu a manchete, porque muitos jornalistas não escrevem suas próprias manchetes. Um editor deve ter escrito. E talvez não tenha sido ela a tomar a decisão de tirar algo de contexto e publicar em inglês, deixando o resto para ser publicado em holandês.

Não estou interessada em apontar culpados, porque não estou preocupada com jornalistas ou editores específicos, mas com o tipo de ‘jornalismo ansioso’ corporativo que os emprega, cujas regras eles são obrigados a seguir.

A ansiedade de ter tantos cliques quanto possível. A ansiedade de não ser divertido ou controverso suficiente. A ansiedade de temer a própria irrelevância em uma era de propaganda voltada aos jovens que premia superficialidade.

Então o jornalismo se torna uma prática que não está a serviço da verdade, mas a serviço de números. Especialmente quando se trata de personalidades. (Veja, por exemplo, a cobertura do discurso de Madonna na Women’s March. A maioria das manchetes, e mesmo as matérias, eram sobre ela ‘acabando com a Casa Branca’, quando, na verdade, o discurso dela foi sobre rejeitar violência e escolher meios pacíficos de protesto.)

É claro que controvérsias reais devem ser noticiadas, mas as inventadas são maliciosas. A manchete ‘O feminismo de Beyoncé não é o meu feminismo’ quis dar a falsa impressão de antagonismo. Ela tentou criar a ilusão de um ataque, para gerar repercussão. E isso leva à mais misógina das ideias, a ‘briga entre mulheres’.

Não acredito na ideia mágica de ‘sororidade’, onde todas as mulheres concordam umas com as outras apenas por serem mulheres. Falta de acordo entre mulheres é normal. Mas eu brigo fortemente contra a invenção de animosidade entre mulheres quando não há nenhuma.”

Chimamanda e Beyoncé rainhas, mídia nadinha

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
444

Comments

comments