Conheça as pessoas negras mais importantes do mundo da moda

Moda
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
6

Estações chegam e passam, a indústria da moda se reinventa a cada minuto, designers novos surgem com incríveis tendências, mas o que nunca deixa o imaginário de todo fashionista é a supremacia branca envolvida nos mais variados setores desse maravilhoso mundo de fantasias que se tornam realidade.

As capas das revistas especializadas no assunto, que nos servem como vitrines para a exposição de tal dominância, são analisadas anualmente pelo site theFashionSpot quanto à evolução no quesito diversidade e, ano após ano, apenas comprovam o que foi dito cima. Em 2016, houveram 679 modelos nas capas dos 48 melhores periódicos de moda do mundo. Desse total, 482 foram modelos brancas e 197 não-brancas, ou seja, 29%.

Mesmo a porcentagem de modelos não-brancas nas capas das revistas ainda sendo extremamente pequena, esta vem aumentando no decorrer dos últimos três anos. Durante 2014, a taxa era de 17.4%, o que nos dá uma margem de mais de 10% de aumento, em comparação com 2016. Algo que, no entanto, não se repete nas passarelas. Ainda segundo o theFashionSpot, durante as semanas de moda de Londres, Paris e Milão para a primavera de 2017, apenas 25.35% das modelos não eram brancas.

Por outro lado, o foco aqui não é falar sobre as diversas mazelas pelas quais as pessoas que não são brancas passam, e sim celebrar os poucos que conseguiram ultrapassar as barreiras impostas por essa indústria racista e conquistaram seus sonhos de trabalhar com moda.

Edward Enninful

O mais novo editor-chefe da revista Vogue Britânica já tem uma carreira bastante longa trabalhando com roupas de alta costura.

Edward foi descoberto aos 16 anos nas ruas de Londres por um olheiro que o contratou imediatamente para trabalhar com o lendário fotógrafo Nick Knight. Aos 18 anos, Enninful foi promovido ao cargo de diretor criativo da revista I-D, o que o tornou a pessoa mais jovem a assumir um posto de tal importância em uma publicação internacional. Sua relação com a Vogue começou em 1998, ao ser contratado como editor colaborativo da versão italiana da revista. Lá, ele realizou o que ficou conhecido como seu trabalho mais impactante, a “Edição Negra” da Vogue Itália, que consistiu em uma série de publicações com apenas modelos negras nas capas, entre elas, claro, Naomi Campbell. Suas desventuras com a Vogue tiveram fim em 2011, quando Edward entrou para o time da revista W como diretor de moda. Até que, no dia 10 de abril de 2017, Enninful é anunciado como sucessor de Alexandra Shulman no cargo de editor-chefe da Vogue UK.

Iman

A imigrante somali que acabou por se tornar a primeira supermodelo negra também foi descoberta por acaso. No ano de 1975, enquanto andava pelas ruas de Nairobi, no Quénia, Iman esbarrou com o fotógrafo Peter Beard, que a pediu para tirar uma foto dela, oferecendo $8.000 como recompensa. A partir desse momento, tudo virou história. A ex-cientista política era a musa de alguns dos mais renomados designers de roupa de todos os tempos, como Gianni Versace, Calvin Klein e Yves Saint-Laurent. Sua curta carreira como modelo (encerrada em 1989) durou o suficiente para que diversas capas nas revistas mais importantes de moda do mundo e aparições em desfiles das maiores grifes estabelecessem Iman como uma supermodelo.

Rhody

Vocês acharam mesmo que não teríamos brasileiro na lista? Rodrigo Luis Soares, popularmente conhecido como Rhody, aceitou o convite de Alexandre Herchcovitch de embarcar em sua nova empreitada fashion, a grife À La Garçonne. Oriundo de Piracicaba, município do estado de São Paulo, e desenhista extremamente talentoso, Rhody trabalha diretamente com Alexandre e Fábio Souza, proprietário da marca, como assistente de estilo. Segundo o próprio, moda sempre fez parte de sua vida, como uma forma de se expressar por meio das roupas que usava. Rodrigo começou trabalhando em uma fábrica de confecção de jeans, em sua cidade natal, logo após concluir um curso de moda na instituição SENAC. Desiludido com o ramo, se mudou para São Paulo a convite de um amigo, para ajudá-lo a administrar um restaurante. Lá, conheceu Herchcovitch, que adorou seus desenhos e o modo como Rhody se vestia, convidando-o para participar do reality “Corre e Costura”. A partir daí o céu se tornou o limite para o desenhista de Piracicaba.

Pat Mcgrath

Considerada por Anna Wintour como a maquiadora mais influente de todo o mundo, Pat Mcgrath construiu um império a partir de suas maquiagens estonteantes. Filha de imigrantes jamaicanos, Pat deu seus primeiros passos no mundo da moda com a ajuda de Edward Enninful, ainda na revista I-D, no começo dos anos 90. Suas principais características, a criatividade ilimitada e o uso das cores, a permitiram trabalhar em desfiles de grifes como Prada, Miu Miu, Comme des Garçons e Dolce & Gabanna. Além de ter fotos de seus trabalhos publicadas em revistas como a W, a Harper’s Bazaar e as versões americana, inglesa e francesa da Vogue. Em 2013, Pat foi nomeada “Membro da Ordem do Império Britânico” pela rainha Elizabeth II, devido a suas contribuições para as indústrias da moda e beleza. A britânica já foi responsável por criar linhas de cosméticos para a Armani, além de também ter sido diretora global de design da P&G, sendo o seu mais recente passo o lançamento de uma linha de cosméticos própria, a Pat Mcgrath Labs.

Virgil Abloh

Arquiteto, DJ e designer de moda, Virgil Abloh é o representante dos millenials no mundo da alta costura. Parceiro de longa data de Kanye West, Abloh é proprietário e diretor criativo da grife Off-White. Seu modo de aproximação com o estilo streetwear é bastante peculiar e exclusivo, Virgil vê a divisão entre designer e consumidor como um borrão, tendo em sua primeira coleção utilizado roupas desenhadas por Ralph Lauren com a palavra PYREX impressa nelas. O arquiteto já foi indicado a um Grammy, pela capa do álbum Watch The Throne, de Kanye West e Jay Z, e acaba de lançar sua coleção de itens domiciliares desenhados pelo próprio. Alguns até arriscam dizer que o designer alcançou o que Kanye ainda luta para alcançar, o respeito de seus companheiros da indústria da moda, o designer foi até cogitado para substituir Riccardo Tisci como diretor criativo da grife francesa Givenchy.

Maria Borges

A angolana que foi musa da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel durante o carnaval 2017 do Rio de Janeiro também é a nova face da marca de cosméticos L’Óreal Paris.
A modelo ficou conhecida por ser a primeira mulher negra a desfilar com seu cabelo natural pela Victoria Secrets, durante o fashion show de 2015 da grife. Muito próxima de ícones da moda como Naomi Campbell, Riccardo Tisci e Edward Enninful, Maria fez história novamente ao ser a primeira modelo negra a aparecer na capa da edição americana da revista Elle neste século. Anterior a ela, só Alek Wek havia aparecido na capa da revista, em 1997. Com somente 24 anos de idade e seis de carreira, Maria Borges já provou ser uma força a ser reconhecida.

(Photo by Chelsea Lauren/Getty Images)

André Leon Talley

Titã da moda, a imagem extravagante ao extremo de André entrou, definitivamente, para o imaginário popular. Bacharel e mestre em francês, ele começou a trabalhar no mundo fashion ainda durante a década de 70, sendo assistente de nomes como Andy Warhol e Diana Vreeland até alcançar seu emprego dos sonhos na Vogue, em 1983. Ele foi diretor criativo da revista de 1988 a 1995 e seu ativismo latente por mais modelos afro-americanas participando dos editoriais foi o que marcou esse período. Foi editor colaborativo da Vogue até 2013, quando a deixou para trabalhar na Número Rússia. Talley é bastante respeitado entre os designers por seu conhecimento profundo sobre moda e suas críticas, nem sempre sucintas, a estes. É amigo pessoal de Anna Wintour e Michelle Obama, tendo até aconselhado a família presidencial quanto às roupas que usavam durante sua estadia na Casa Branca.

Dessa forma, estações vem e vão, tendências surgem e desaparecem, a supremacia branca na moda persiste em existir, mas a melhor escolha sempre é o preto.

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
6

Comments

comments