in ,

​Poucas coisas são tão desnecessárias quanto uma segunda temporada de ‘Big Little Lies’

O capitalismo tem essa habilidade incrível de se aproveitar até a última gota do que quer que seja, chegando ao ponto da saturação. A HBO, sendo uma empresa que naturalmente visa o lucro, tem total liberdade em trabalhar um produto próprio com essa finalidade. Eu, como fã deste produto, tenho também a minha liberdade em xingar muito no Twitter por ser contrário a essa decisão.

Durante um evento da Associação dos Críticos de Televisão nessa semana, Casey Bloys, presidente da emissora, afirmou que já encomendou uma ideia para uma provável segunda temporada de Big Little Lies, minissérie hit de 2017, tendo inclusive várias indicações ao Emmy. Com essa possibilidade tomando forma, a resposta dos fãs e até de parte dos envolvidos na primeira temporada foi um sonoro “NÃO”.

Big Little Lies adapta o livro de mesmo nome (Pequenas Grandes Mentiras) numa produção de alto nível, com grandes figuras do cinema hollywoodiano à frente e atrás das câmeras, e conquistou o público com uma história fenomenal sobre um grupo de mulheres e os problemas que elas enfrentam diariamente num mundo onde os homens ditam as regras.

Ao longo de oito episódios, a narrativa vai se aprofundando na vida das protagonistas enquanto expõe temas fortes como abuso físico e psicológico, traição e assassinato. Toda a trama da obra literária é contada com começo, meio e fim, num arco tão bem amarrado (coisa rara na TV hoje em dia) que dispensa completamente o que os executivos do canal à cabo mais querem: uma continuação.

A “encomenda” de uma ideia para os novos episódios, ao menos, foi feita para a pessoa certa. Liane Moriarty, autora do livro, é quem ficou responsável pelo argumento dessa por enquanto apenas presumível segunda temporada, o que é um bom sinal, afinal a idealizadora original de todo aquele universo muito provavelmente não estragaria tudo o que construiu (isso até uma proposta financeira bem generosa entrar em jogo), o que pode ser levado como um alívio.

Ainda assim, bate aquele medo. Toda a aclamação da crítica e a legião de fãs conquistados por Big Little Lies não necessariamente indicam a indispensabilidade de um desenvolvimento para a história contada até aqui. Os riscos de fazer com que toda a magia envolta daquele material que já se tornou especial para tanta gente são grandes demais. Tem coisa que é melhor deixar lá quietinha.

Nossas esperanças, obviamente, são de que o resultado seja o melhor possível. Se for pra acontecer, que seja ótimo! De qualquer jeito estaremos grudados na televisão no dia da estreia. Mas se houvesse uma opção, a melhor coisa seria que história não continuasse. Quando a gente sentir saudade da Celeste, da Madeline, da Renata e da Bonnie, é só rever a primeira temporada. Não se preocupe, HBO. Melhor focar numa produção nova aí. Valeu, obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Rihanna engordou? A pressão e insegurança das pessoas quanto à estética

O que há por detrás do ‘Fetish’ de Selena Gomez